Como o papel é produzido?

DA MADEIRA À FOLHA

1. Colheita da matéria-prima

A árvore é cortada e transportada para o local de fabricação. Lá, passa por um processo de limpeza (lavagem e retirada das cascas) e só então é dividida em cavacos de tamanhos pré-estabelecidos. Uma atitude ecologicamente correta é usar áreas reflorestadas, local onde são plantadas espécies mais apropriadas para o tipo de celulose ou papel a ser produzido, e que posteriormente são renovadas com o replantio de outras árvores.

Dicas: O que você precisa saber para manuseio do papel

1) Recebimento do papel

Todo papel deve ser inspecionado no recebimento. A inspeção visual deve se concentrar:
• Na identificação do produto conforme o pedido de compra;
• Nas dimensões do papel e gramatura;
• Nos possíveis sinais de umidade e marcas de avarias nas embalagens.

2) Manuseio de papel

Apesar de toda proteção que a embalagem proporciona ao papel, a correta operação de carregamento e descarregamento, por meio de equipamentos adequados, é uma das formas mais eficazes para se evitar perdas e avarias.

2.1) Equipamentos para manuseio

• Empilhadeira de Garfo:

Os papéis em folhas, tanto em resmas paletizadas como em skids, devem ser carregados por empilhadeira de garfo, tomando cuidado para que a lança da empilhadeira não atinja o palete que está atrás daquele que está sendo empilhado ou retirado.

• Empilhadeira de Clamp:

As bobinas devem ser sempre transportadas por empilhadeiras com clamp. A pressão do clamp deve ser suficiente somente para suportar a carga; não pode ser excessiva, pois danifica a bobina.

Deve-se carregar apenas uma bobina por vez, pois o clamp exerce pressão diferente em duas bobinas, deixando-as ovaladas. Ao depositar a bobina no solo atentar-se para que esteja paralela ao solo, de forma a não bater em ângulo, o que amassa as extremidades, criando o efeito conhecido como "meias-luas".

3) Operações de manuseio

O pessoal encarregado de manuseio deverá ser treinado nos seguintes pontos:

• A velocidade das operações deve ser adequada às condições de trânsito local, às condições de piso e à estabilidade do produto transportado. Todos os equipamentos envolvidos no transporte e manuseio devem estar perfeitamente conservados:

• O palete não deve ter saliências, bem como pregos malfixados e grandes espaços vazios entre as ripas;

• O clamp deve ser constantemente avaliado quanto a avarias e desgaste das borrachas das garras, que podem deixar parafusos aparentes e danificar a bobina;

• Sistema hidráulico dos equipamentos sem vazamentos, etc.

• Oriente os transportadores para que façam transporte manual dos produtos com a máxima segurança, não jogando-os no chão ou carregando-os sobre a cabeça, pois poderão causar avarias. O transporte de resmas deve ser feito por duas pessoas: uma em cada extremidade do pacote.

• No caso de bobinas, se houver necessidade de serem movimentadas sem empilhadeira, utilize uma cunha arredondada para girá-las e apenas role-as em superfície lisa, sem imperfeições nem sujeiras.

• Para a paletização das resmas soltas, recomenda-se que a operação seja feita no próprio caminhão e, posteriormente, descarregadas por empilhadeira de garfo. O veículo que transporta o produto deve estar sempre limpo e com o assoalho forrado.

No carregamento, a carga deve estar totalmente alinhada. Quando a carga for superior à altura das guardas da carroceria do caminhão, cantoneiras devem ser amarradas em toda a extensão da carga. Para evitar avarias no produto (marcas da corda e papel molhado), fique atento às condições da lona que protege a carga.

4) Armazenagem

Os pacotes de papel são embalados com kraft laminado com polietileno cuja função é proteger o papel contra a variação de umidade no local de armazenagem.

Local de armazenagem

O local deve possuir uma cobertura sem riscos de goteiras, com pouca ventilação, mantendo janelas e portas fechadas. A limpeza deve ser feita com a utilização de vassouras, não sendo permitida a lavagem do chão. A dedetização deve ser periódica. Quanto menor a variação de temperatura, umidade e exposição aos raios solares, melhor será a conservação do papel. Nos locais fechados e sem ventilação deve-se evitar os veículos movidos a motores de combustão interna. Mantenha o armazém arrumado e com sinalização visual nos cruzamentos para evitar colisões.

Rotatividade do estoque

O local de armazenagem deve permitir o perfeito rodízio do estoque: o primeiro que entra é o primeiro que sai.

Procedimentos por segurança

Inspecione regularmente os equipamentos de segurança contra incêndios quanto às condições de uso, realizando sua manutenção quando necessário. Os equipamentos devem estar desobstruídos e o pessoal deve ser treinado para uma ação imediata em casos de emergência.

Empilhamento de palestes (Skids e Resmas)

Altura máxima: Empilhe no máximo três paletes no armazém. No empilhamento de paletes, coloque entre eles uma boa proteção para que os pés dos paletes não fiquem em contato com as embalagens, danificando o papel. Podem ser lâminas de material compensado, por exemplo.

Recomenda-se manter os paletes a uma distância mínima de 20 centímetros das paredes, principalmente para aqueles próximos a janelas. Mantenha o empilhamento alinhado e marque o piso do armazém com faixas de sinalização. Nota: As faixas devem ser aproximadamente 20 centímetros mais largas que a largura das empilhadeiras.

Empilhamento de bobinas

Altura máxima: Ao empilhar bobinas, recomendamos a armazenagem no sentido vertical (chaminé), proporcionando maior segurança no manuseio e não comprometendo a qualidade do papel. A altura máxima do empilhamento deve ser de 4 metros, para possibilitar seu manuseio com empilhadeiras clamp em condições seguras. Todo papel deve ser armazenado sobre uma estrutura resistente e nunca direto no piso, podendo utilizar paletes ou alguma estrutura similar impermeável.

5) Uso do papel

Para evitar a natural instabilidade do papel frente às variações de umidade e temperatura do ambiente, a embalagem somente deve ser retirada no momento do uso. Se possível, o papel deve ser armazenado no local de uso até que ocorra o equilíbrio de temperatura. Este cuidado evita a absorção do vapor d'água formado ao redor do papel, o que pode ocasionar ondulação, correntes, etc.

As embalagens de papel em folhas planas, são protegidas com um revestimento de plástico e é ideal para a conservação do papel. Abra as resmas e bobinas apenas no momento de alimentação da máquina. Ao trabalhar em etapas, mantenha as pilhas de papel – impresso ou cortado – protegidas. Você pode reaproveitar o próprio envoltório do papel para este fim.

Toda sobra de papel deve ser reembalada mesmo em intervalos não muito longos (como o período do almoço, por exemplo). No caso de bobinas, para facilitar o processo, retire os discos laterais, que absorvem menos água, mas deixe a "barriga" da bobina protegida. Com esses cuidados, o impressor evita falta de registro em policromia, rugas, cordões de ar, dificuldades de alimentação, etc.

6) Sentido da fibra

Para obter sempre um bom registro em suas impressões, é importante observar o sentido da fibra do papel. Para ter uniformidade, o papel é formado por fibras de celulose alinhadas num só sentido.

No papel em formato, a fibra está no sentido de maior dimensão da resma. Assim, num papel 660 x 960mm as fibras estão no sentido 960mm. Como o papel sofre maior deformação no sentido perpendicular às fibras, a impressora plana deve ser sempre alimentada com as fibras das folhas em paralelo aos eixos dos cilindros, para manutenção de registro.

Importante: se você for alimentar a máquina com "meia-folha", lembre-se de solicitar papel com sentido invertido de fibra (ex: 960 x 660mm). Na guilhotina linear, o sentido da fibra do papel deve estar paralelo à faca. Já no corte vinco,o sentido da fibra deve ficar paralelo ao menor vinco.

7) Decalque

Decalque é a transferência da tinta úmida para o verso da outra folha da pilha. Para evitá-lo, a tinta deve ser escolhida em função do papel a ser impresso levando em conta alguns dos fatores como tipo de tinta, velocidade da impressora e absorção do papel. O decalque geralmente ocorre por inadequação da tinta ao papel.

Quando as folhas impressas são empilhadas na mesa de entrega de uma impressora offset plana, forma-se um colchão de ar que as mantém flutuando por um período de tempo suficiente para que a tinta assente no papel. Se isso não ocorrer, à medida que a pilha é compactada devido ao peso das folhas acumuladas, a tinta contata e transfere parcialmente para o verso da folha sobreposta, particularmente com suportes pesados. O risco aumenta quanto ocorre acúmulo de eletricidade estática.

Existem aditivos antidecalque que são incorporados às tintas, ou pó borrifado sobre as folhas, que reduzem a tendência ao decalque, porém, podem causar outros problemas. A gramatura e a absorção do papel influenciam na ocorrência do decalque e papéis de menor gramatura tendem a decalcar menos, pois o peso das folhas sobrepostas na saída da impressora é menor.

Papéis

Um bom trabalho se inicia pela escolha certa do formato. Procure, nas tabelas de corte, o melhor formato para seu impresso.

Completa linha de papéis, desde os destinados ao setor gráfico, até os papéis Autocopiativos e Térmicos, utilizados para as mais diversas especialidades.

Veja mais

Tabela de corte

Um bom trabalho se inicia pela escolha certa do formato. Procure, nas tabelas de corte, o melhor formato para seu impresso.

Formatos e aproveitamento de papel. Conhecer as medidas e padrões dos papéis é muito importante para o desenvolvimento de qualquer material gráfico.

Veja mais

Suprimentos gráficos

Um bom trabalho se inicia pela escolha certa do formato. Procure, nas tabelas de corte, o melhor formato para seu impresso.

Soluções para a indústria gráfica, com atendimento personalizado e as melhores linhas de produtos do mercado, desde a pré-impressão ao produto final.

Veja mais